Grupo Refinaria Teatral reestreia sua primeira peça, Espelho

Dia 22 de novembro, sexta-feira, às 20h, reestreia a peça Espelho do grupo Refinaria Teatral, em comemoração aos dez anos de atividade ininterrupta. A direção e texto são de Daniel Alves Brasil. No elenco estão Ana Szcypula, Karyn Camoski e Daniel Santana. A temporada será de sexta à domingo, até dia 15 de dezembro, e é uma das ações artísticas prevista no projeto Teatro uma Pátria Habitável, contemplado na 32° edição da Lei de Fomento ao Teatro para a cidade de São Paulo. Os ingressos são no sistema pague quanto puder.

Para o grupo, revisitar essa obra é uma maneira de beneficia-la com o acumulo geral da pesquisa em torno do trabalho da(o) atriz (ator) que estimulou desde então.

Sinopse:

            Um individuo enclausurado em si mesmo entra em contato com sua consciência sem perceber. A tensão cresce entre as duas partes e os conflitos revelam que sua vida está entrelaçada a sistemas que as manipulam. O personagem tenta desesperadamente se desvencilhar de algo que ele nem sabe o que é.

O grupo Refinaria Teatral, núcleo da Cooperativa Paulista de Teatro, é um teatro de treinamento que pesquisa e desenvolve técnicas extraídas da arte marcial Karatê-do. Essa investigação prática gera um estilo particular de comunicação e efeito cênico que hiperpotencializa a presença cênica do ator, expandindo e retendo a energia corpórea, gerando cenas, ações e personagens arquétipos de simbologia crítica. A grande produção de energia corporal sobre controle do ator, que os trabalhos revelaram ao longo dos anos, geram um magnetismo potente que traz o espectador para dentro da obra. Recursos de ação que saíram dessa investigação, como a ação fotográfica e o ator fragmentado estimula o criativo, o reflexivo do espectador fazendo com que ele crie junto com a obra, o espectador-criador. Chamamos essa investigação, trabalho pilar do grupo Refinaria e que está em constante desenvolvimento, de Teatro Marcial.

As pesquisas contínuas sobre o trabalho de Jerzy Grotowski, Meyerhold, Tadeusz Kantor, Antonin Artaud, Eugenio Barba e o teatro oriental sustentam e alimentam o trabalho desenvolvido pelo grupo, que visa o refinamento constante das ferramentas do principal elemento do teatro: o ator. Em nossas obras discutimos as distintas temáticas da situação de opressor e oprimido, buscando quebrar paradigmas e comodismos.

O grupo surgiu em 2008 e já se apresentou em diversos teatros de São Paulo e de outras cidades. Participou e recebeu premiações de diversos festivais nacionais e internacionais como o Festival de Curitiba, XVII Encuentro Latino Americano de Teatro de Copiapó – Chile, Festival Internacional de Chañaral – Chile, e Encuentro Internacional de Teatro em Aragua, na Venezuela.

O Grupo já foi contemplado em programas de apoio à produção artística como o Programa Myriam Muniz, o programa VAI II, o Programa de Intercâmbio e Difusão Cultural, 28° Edição da Lei de Fomento ao Teatro para a cidade de São Paulo, entre outros. Todo o trabalho do grupo é autoral e ao longo de seus mais de dez anos de estrada, já criou 7 obras teatrais.

Em 2017 o grupo realizou uma parceria com a Universidade de Guadalajara – México, resultando na apresentação de diversas ações culturais (apresentação de obras, oficinas e palestras) do grupo em Guadalajara. Além de trabalhar com a obra “Porque as mulheres choram”, o grupo finalizou a construção do sexto espetáculo em parceria com o grupo Mexicano Perspectiva Escénica, que foi intitulada “Inexistência”. As apresentações ocorreram na cidade de São Paulo e em Guadalajara e outras cidades próximas (México).

Atualmente, o grupo está realizando o projeto “Teatro: Uma Pátria Habitável”, contemplado pela 32ª Edição da Lei de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, que investiga as bases do teatro brasileiro antes da colonização, pesquisa atual desse grupo paulistano que objetiva, através de vivências e olhares nas manifestações artísticas de caráter cênico mais tradicionais dos povos indígenas brasileiros, encontrar a corporeidade cênica e a estrutura cênica dos povos originários das terras brasileiras. Pesquisa essa denominada de Encontro com o teatro de Pyndorama.

Para mais informações acesse o site: www.refinariateatral.com.br 

Ficha Técnica:

Texto dramatúrgico, preparação de atores e direção: Daniel Alves Brasil

Atuação: Ana Szcypula, Karyn Camoski e Daniel Santana.

Figurino: Lilian Kawatoko

Cenário: Zé Valdir

Maquiagem: Ana Szcypula

Músicas: Renan Lemos

Sonoplastia, iluminação e desenho de luz: Daniel Alves Brasil

Produção: Fulanos Produções

Produção artística: Grupo Refinaria Teatral

Assessoria de imprensa:  Miriam Bemelmans

Serviço:

Peça Espelho do grupo Refinaria Teatral.

Temporada: 22 de novembro ao dia 15 de dezembro, toda a sexta e sábado, às 20h, domingo, às 18h.

Ingresso: Sistema pague o quanto puder.

Local: sede do grupo Refinaria Teatral, Rua João de Laet, 1507 – Vila Aurora – SP.

Reserva de ingressos pelo e-mail refinariateatral@gmail.com

Lotação: 40 lugares

Mais informações sobre o grupo no site www.refinariateatral.com.br

Sócia-diretora da Bemelmans Comunicações, empresa de assessoria de imprensa. É formada em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero de São Paulo. Fez Curso de Assessoria de Imprensa para empresas em momentos de crise.
Post criado 16

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo